Refining music tempo for an ergogenic effect on stationary cycling exercise

Fecha

2017

Autores

Aburto Corona, Jorge Alberto
Aragón Vargas, Luis Fernando

Título de la revista

ISSN de la revista

Título del volumen

Editor

Resumen

The effect of music on exercise performance has been studied from many perspectives, but the results have not been as clear as expected, probably due to a lack of appropriate controls. The purpose of this study was to measure stationary cycling performance in a warm environment under carefully controlled conditions, modifying only the presence of music and its tempo. Ten physically active students, 24.5±3.6 years (mean±SD) selected their favorite exercise music and performed a maximum cycling test. During subsequent visits to the laboratory, they pedaled at their preferred speed against a constant resistance (70% of maximum) in an environmentally controlled chamber (28.6±0.5 °C db and 65±3% rh) for 30 min, on three different days, without music (NM), medium tempo music (MT120 bpm) or fast tempo music (FT-140 bpm), in random order. Perceived exertion (PE), heart rate (HR) and total work performed (W) were recorded. There was no significant difference among conditions for PE (4.47±1.52; 4.22±1.5; 3.83±2.06 a.u. for NM, MT and FT, respectively, p=.162) or HR (142.4±24.53; 142.6±24.37; 142.9±18.36 bpm for NM, MT and FT, respectively, p=.994), but W was different (43.4±19.02; 46.1±20.34; 47.1±20.97, kJ for NM, MT and FT, respectively, p=.009); post-hoc analysis showed that the W difference was only between FT and NM. Using individually selected preferred music in a carefully controlled environment, participants improved their spontaneous cycling performance only when the music had a fast tempo of 140 bpm.
O efeito da música durante o exercício tem sido estudado desde muitas perspectivas, mas os resultados não tem sido totalmente claros, provavelmente pela falta apropriada de controle na pesquisa. O propósito deste estudo foi medir o rendimento físico em uma bicicleta ergométrica em um ambiente quente, em condições cuidadosamente controladas, modificando apenas o tempo da música. Dez estudantes fisicamente ativos, 24.5±3.6 anos de idade (média ± desvio padrão), escolheram sua música favorita para fazer exercício e realizaram uma prova de máximo esforço na bicicleta. Durante as seguintes visitas ao laboratório, os participantes mantiveram uma cadência de sua preferência e uma resistência constante (70% da carga máxima) dentro de uma sala de clima controlado (28.6±0.5°C e 65±3%HR) por 30 minutos em três dias diferentes, sem música (NM), com música de ritmo moderado (MT-120bpm) ou música de ritmo rápido (FT-140bpm) em ordem aleatória. Foi registrado o esforço percebido (PE), a frequência cardíaca (HR) e o trabalho realizado (W). Não se encontrou diferença significativa entre condições PE (4.47±1.52; 4.22±1.5; 3.83±2.06u.a. para NM, MT e FT, respectivamente, p=.162) nem HR (142.4±24.53; 142.6±24.37; 142.9±18.36bpm para NM, MT e FT, respectivamente, p=.994). Porém, sim foram encontradas diferenças em W (43.4±19.02; 46.1±20.34; 47.1±20.97kJ para NM, MT e FT, respectivamente, p=.009); a análise post-hoc demonstrou que essas diferenças em W eram entre FT e NM. Ao utilizar música que cada pessoa gosta de ouvir enquanto se exercita em um ambiente cuidadosamente controlado, os participantes melhoraram o rendimento físico somente com ritmo rápido de 140bpm.

Descripción

Palabras clave

Rhythm, Endurance, Beats, Exercise performance, Ritmo, Resistência, Beats, Rendimento físico, 796.6 Ciclismo y actividades relacionadas

Citación

revistas.ucr.ac.cr/index.php/pem/article/view/28390